O mar está para tubarão

Em alguns lugares, como o Recife, aqui no Brasil, estatísticas e notícias registram casos de turistas que, alheios aos avisos da presença desses animais, preferiram curtir a praia dentro da água e foram atacados por tubarões.

Não queremos culpar as vítimas pelos ataques, absolutamente; apenas ressaltar como é evidente que sabemos muito pouco sobre a mudança de comportamento dos tubarões nestas áreas de risco, e que campanhas de conscientização precisam ser mais intensamente divulgadas nestas regiões onde se registram ataques de tubarões.

Cem milhões de tubarões são mortos por humanos a cada ano

O tubarão é um dos animais mais temidos do planeta. No entanto, a probabilidade de um ser humano ser atacado por um deles é relativamente pequena. Cem milhões de tubarões são mortos por humanos a cada ano. O tubarão tem um papel fundamental no ecossistema marinho e na natureza e é importantíssimo que as pessoas não o considerem um vilão.

O tubarão não é um comedor de gente, mas mordedor. Pela falta de alimento, ele pode estar procurando outros tipos de presa e confundindo o homem com uma delas. Entender as causas dos ataques serve, dentre outras coisas, para mostrar que ele não é o vilão do mar, como o imaginário popular construiu ao longo dos anos.”  – Otto Gadig, biólogo e professor da Universidade Estadual Paulista -Unesp ( leia mais)

Nossa querida bióloga  Lucia Malla, apaixonada por tubarões, animais  que considera “evolutivamente magnânimos e que vêm sendo dizimados por motivos desanimadores”,  já demonstrava, em 2006,  neste post: “Os tubarões de Recife“,  a preocupação com que mais pessoas passassem a entender a grande problemática ambiental que envolve o assunto dos ataques naquela região do Brasil.

Lucia Malla mergulha com tubarões. Foto: André Seale

Lucia lembra que, há cerca de 40 anos, eram raros os ataques de tubarão em Recife. Eles habitavam mais ao sul, em uma região costeira de manguezais, ideal para sua reprodução. Com a construção do Porto de Suape, em Pernambuco, destruiu-se o referido manguezal, e, com o hábitat destruído, os tubarões passaram a nadar mais ao norte , justamente onde está Recife, por suas águas mais quentes e com mais possibilidade de encontrarem alimentos.

Humanos não são parte da dieta de tubarões. Em geral, os ataques são reflexo de uma “petiscada” que o bicho dá em algo se movimentando na superfície da água que ele quer saber se é alimento. – Lucia Malla (Leia mais)

Quando o meio ambiente não é degradado e está equilibrado, os ataques não acontecem. Em muitos lugares, como Fernando de Noronha, por exemplo, os tubarões e seres humanos convivem em relativa harmonia: eles no mar, e as pessoas, na praia. Segundo Léo Veras, engenheiro de pesca e pesquisador de tubarões, não há registro de ataques  de tubarão a humanos, porque existe algo como “um sensato acordo de paz”.

É necessário que tratemos deste assunto com mais clareza sobre os perigos de um ataque, para as pessoas se conscientizarem de que, ao entrar no mar, a “casa” dos tubarões, correm risco de serem confundidas com alimentos destes animais. Talvez por falta de informação a respeito dos hábitos destes animais em águas turvas ou de não levarem tão a sério tais informações.

É ainda importante que, nesses locais onde se verificam maior presença de tubarões, os primeiros socorros  sejam mais eficientes, com linha direta IMEDIATA com o pessoal de emergência, com helicópteros para levar a vítima ao hospital mais rapidamente.

Os equipamentos dos salva-vidas nas praias precisam ser mais eficazes, com certeza, porém, acima de tudo, é urgente que haja mais educação ambiental por parte dos turistas e frequentadores dos locais perigosos, não apenas com placas de advertência, mas com informações detalhadas quanto aos hábitos destes animais e quanto ao nosso comportamento nestas áreas.

Sempre é bom lembrar que o mar é o lar natural dos tubarões. Nós somos as visitas e devemos respeitar o território deles. Temos muito a aprender ainda:

Deveríamos entrar no mar sabendo que atitudes de respeito e informação são fundamentais para a boa convivência entre nós, humanos, e os demais “donos” daquela casa. Com uma postura assim, é menor a probabilidade de acidentes acontecerem.(Lucia Malla)

 Afinal, o mar está para tubarão! Estes lindos.

Gostou do Blog?

O que é RSS?

Assine o Feed RSS ou receba nossos textos por email. É grátis!
Digite seu email:

9 comentários para “O mar está para tubarão”

  1. Lucia Malla

    “Estes lindos!” <3 <3 <3

    Obrigada pela citação, Dê! Muito pertinente seu post.

    Beijos!

    1. deniserangel

      Malla: ❤❤❤❤❤❤❤❤❤❤❤

  2. Garry V. Ruiz

    O tubarão-branco é uma ameaça que requer cuidados extremos, já que mostra comportamento alimentar muito diversificado. Sua dieta é composta basicamente por focas e leões-marinhos ; isso se dá porque esses animais possuem muita gordura. No entanto, essa espécie se mostra agressiva à qualquer animal – presa – que transite próximo. Há muitas dúvidas se essa postura é por curiosidade, ou realmente voracidade alimentar. Cientistas ainda divergem se tubarões brancos confundem humanos com focas, tartarugas ou leões marinhos. Em alguns testes recentes, um boneco vestindo uma roupa de mergulho foi seguidas vezes atacado por um tubarão branco, mesmo sem conter aroma de carne, peixe ou esboçar movimentação. Para se ter uma idéia da visão desses animais, eles conseguem distinguir espécies de leões marinhos e diferenciar o ataque por espécie, para evitar um possível ferimento durante a caça.

  3. Julio Corrêa

    Lúcia, estive em Recife em junho e fiquei impressionado com os novos postos de salvamento em Boa Viagem. Acho que é realmente previnir esses ataques. Mas a culpa definitivamente não é dos lindos. Mesmo por que, eles detestam carne humana.
    bj

    1. deniserangel

      Que bom, Julio, que novos postos de salvamento sejam criados. Por outro lado, isto revela a necessidade deles. Seria a teimosia humana em desobedecer os avisos?
      abraço, garoto

  4. luma

    Oi, Denise!!
    Aqui em Cabo Frio também aparecem tubarões na praia e as pessoas são alertadas para não entrarem no mar. Quando o mar está para tubarão, a praia lota de tabuletas e bombeiros salva vidas andam para todo lado. Mesmo assim, algumas pessoas acham que é exagero que pode gerar insegurança e medos desnecessários na população e também espantar os turistas de Cabo Frio.
    Os tubarões sempre estiveram presentes aqui e em Arraial do Cabo em convivência pacífica, já que nunca houve um ataque. Eles chegam mais perto da zona de arrebentação das ondas onde capturam peixes para comer.
    O alerta serve mesmo para que as pessoas não cheguem muito perto. Vai que uma pessoa seja confundida com uma tartaruga marinha?
    Beijus,

    1. deniserangel

      Luma, a convivência pacífica é o ideal. Confunde-me a ganância humana que mais se preocupa com os lucros do turismo que com a própria vida.
      beijo, menina

  5. Sybylla

    Fiquei muito triste de ver esse medo irracional sobre os tubarões sem que se pense na perda de habitat destes animais magníficos e que exigem o respeito que merecem. Eles não estariam tão perto da praia se seu habitat estivesse intacto ou recuperado. Pintam o animal como uma criatura vil – vários filmes retrataram isso – quando na verdade o ser humano é o verdadeiro perigo. 🙁

    1. deniserangel

      Sybilla, estive pensando sobre isto: o modo como os tubarões são descritos no filme, e a gana por matá-los. Educação, informação e muita conscientizaçao são uma parte da solução. A vontade humana, muitas vezes, impede que esta convivência pacífica se estabeleça.
      beijo, menina

Leave a Reply

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
%d blogueiros gostam disto: