Nosso “big brother” de cada dia

alameda nothman

Em tempos de compartilhamento online, como ter privacidade, manter a credibilidade e preservar a reputação, quando estamos tão sujeitos a flagrantes de todos os tipos? Basta um celular na mão e uma (ou nenhuma) ideia na cabeça, e lá estamos nós expostos a todo o planeta.

Nas redes sociais, quando alguém adiciona uma fotografia de um grupo em seu perfil, todas as pessoas que estão ali retratadas têm, naturalmente, preferências de privacidade distintas e que não foram levadas em consideração por quem posta a imagem coletiva. Nem todas as pessoas possuem meios ou cuidados para impedir que sua imagem se espalhe pelo mundo. E conviver com esta realidade é algo que tem preocupado muitas delas.

Em meu trabalho, é muito comum os alunos se comunicarem entre si, utilizando seus dispositivos móveis.  E o fazem, frequente e deliberadamente, durante as aulas. Nem imagino quantas imagens minhas e de meus companheiros de profissão estão expostas pelas redes, de maneira digna ou não. Na verdade, procuro não me preocupar com isto, uma vez que não é algo tão fácil de controlar.

Vivemos nosso “big brother” cotidiano

Na obra 1984, de George Orwell, o personagem Winstom Smith representa o cidadão-comum vigiado pelas teletelas e pelas diretrizes do sistema, uma realidade bem parecida com a que vemos hoje.  Há um “big brother” real, nos observando, e nem todos temos, como Winstom,  o “canto cego” do apartamento que nos proteja de comentários maliciosos e imagens indesejadas.

Usuários têm seus direitos à liberdade e à privacidade sistematicamente desrespeitados pelo governo, que opera um grande sistema de controle e vigilância de informação e comunicação. Servidores e firewalls possibilitam controlar o tráfego e disponibilizam recursos para monitoramento, filtragem e vigilância de emails.

Há tempos que empresas monitoram os emails dos funcionários para ler e analisar mensagens enviadas a partir de seus sistemas, a fim de se protegerem contra riscos legais, financeiros e regulatórios. Justiça concede liberdade condicional a condenados, em regime de monitoramento eletrônico.  Em muitas ocasiões, sigilos bancários são violados em hipóteses previstas pelo legislador. Instituições de ensino estão aderindo ao uso de câmeras em salas de aula para garantir disciplina e segurança.

Sistemas desta natureza são utilizados para espionagem ou “monitoramento indevido” em toda parte na sociedade, e a pergunta que fazemos é: até que ponto nossos direitos são garantidos ou violados?

Em muitos casos as tecnologias podem contribuir para a violação dos direitos humanos, mas ao mesmo tempo outras iniciativas revelam o potencial da internet como meio para livre expressão, organização e ativismo. A internet pode ser um meio para informar, possibilitar a comunicação e empoderar os cidadãos, para ampliar as possibilidades de dissidência e dar voz a ativistas. Pode ainda ser empregada para dar visibilidade a diferentes questões, rompendo canais de controle e chamando a atenção da comunidade internacional. A internet vem, gradualmente, se tornando um meio alternativo para organizações da sociedade civil e jornalistas, que utilizam websites, blogs e espaços de discussão online para dar visibilidade e discutir questões sociais e políticas. (Em busca do direito perdido: internet e direitos humanos – Dalberto Adulis)

Não é mais possível se esconder. Quem prefere não ter perfil em redes sociais ou usar subterfúgios, como apelidos, corre um outro risco: perder oportunidades no amor e nos negócios. Todos corremos o mesmo risco de uso indevido de nossa imagem no ambiente virtual e no real. Cabe a cada um se preservar, na medida que lhe for possível, e buscar ajuda legal quando se sentir injustiçado, ameaçado ou ridicularizado, a fim de se livrar do “paredã0”.

Imagem:  Gabriel de Andrade Fernandes

 

  • Este post faz parte do Meme de Março, uma iniciativa das interneteiras do LuluzinhaCamp, que tem como única intenção, a diversão. Porque somos blogueiras e adoramos blogar, simples assim. Se você tem blog, corre para participar,clique aqui e saiba mais.

Gostou do Blog?

O que é RSS?

Assine o Feed RSS ou receba nossos textos por email. É grátis!
Digite seu email:

5 comentários para “Nosso “big brother” de cada dia”

  1. luma

    Tento preservar a minha privacidade ao máximo! No trabalho, todos sabem os meus endereços on-line ou onde me encontrar, mas o contrário não procede. Se perdemos o controle sobre a nossa imagem, estamos perdidos! Já vi a foto de uma blogueira ser usada no perfil de uma pessoa no facebook – ela é bonita. Daí quando entrei em contato com ela, ela disse que até em sites pornográficos tinha foto dela e ela estava suando para que retirassem e que a vida pessoal dela não virasse um pandemônio.
    Gratuitamente não se deve publicar imagens. Em eventos, as pessoas estão juntas – são testemunhas oculares. Do contrário, para quê? Acho absurdo blogues de mães que publicam fotos de filhos ainda pequenos. Sabe lá se eles vão gostar quando crescerem… há um certo desrespeito por parte dos pais no uso da imagem dos filhos. Opinião pessoal, lógico!
    Boa semana! Beijus,

    1. denise rangel

      Sim, eu sei, Luma. Aliás, tenho curiosidade de saber como você é, ehehe.
      Não tenho problemas em colocar imagens, já que participo de vários eventos e minha foto aparece nos grupos. Tenho algumas reservas em relação à Princesinha, mas não sou tão neurótica. Hoje em dia, se alguém quiser fazer uma maldade, pode tirar ele mesmo a nossa foto, dadas as facilidades de aparelhos que fotografam e filmam.
      beijo, menina

  2. #mememar resumo das postagens
  3. two day diet

    i was not able to get rid of weight with other pills except P57 Hoodia Cactus Slimming Capsule.i used this for per month now. and have missing 9lbs. its alot to me, and i want to increase the dosage , i want to get pounds reduced faster and hope im ok with two .

  4. Violação de privacidade | Sturm und Drang!

    […] de um Grande Irmão, o Big Brother. De todas as formas, estamos, como na ficção orwelliana, em um “big brother” real, sem o benefício do “canto cego” que nos proteja da invasão de […]

Leave a Reply

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
%d blogueiros gostam disto: