Eu preciso mesmo ser “verde”?

Esta é uma pergunta que devemos fazer a nós mesmos. Escolher entre ser verde ou não em sua compras. Diante da crise ambiental do planeta, das alterações climáticas, da poluição, da extinção das espécies, do desmatamento, que diferença faz as escolhas que fazemos?

É simples: as escolhas que fazemos são importantes e servem de exemplo para que outros ao nosso redor sigam as mesmas atitudes e, logo, começaremos a ver a diferença. Mesmo que seja para acompanhar as tendências, usar uma sacola sustentável, comer uma alimentação mais saudável, escolher objetos, roupas e móveis de baixo impacto ambiental, são atitudes cada vez mais freqüentes, seja por consciência ecológica, seja por modismo, não importa, desde que o ambiente seja poupado.

Quando os supermercados e shoppings perceberem que precisam investir mais em produtos verdes, oferecendo variedade de alimentos e objetos de consumo de menor impacto ambiental, então, os consumidores serão levados a mudar seu comportamento e, assim, coletivamente, faremos a diferença. Não tem cabimento o consumidor ter de “caçar” os produtos sustentáveis ao ir fazer suas compras. Estes têm de estar bem à vista, ao alcance das pessoas. O que vemos nas vitrines e prateleiras são biscoitos recheados com gordura hidrogenada, aparelhos eletrônicos e outros produtos que incentivam o consumidor a comprar impulsivamente.

Consumismo e comportamento, juntos, podem definir o que nós mesmos desejamos atingir no esforço para ser verde. O ideal seria se consumíssemos menos e consumíssemos melhor. E , se a nossa atitude influenciar mais pessoas, tanto melhor ainda. Se alguém passa a chegar ao trabalho de bicicleta, ou de moto, por exemplo, ou se comprou um carro híbrido a fim de reduzir significativamente o consumo de combustível e as emissões de um automóvel movido a gasolina, as outras pessoas podem, ao ver tais mudanças, pensar que é muito interessante esta atitude e comecem, elas também, a desejar mudanças em seus hábitos. Então poderemos ver a diferença.

E o mercado, por sua vez, acompanharia esta mudança de mentalidade de seu consumidores, porque as pessoas estariam comprando produtos mais verdes. É uma mudança lenta e difícil, principalmente se o público consumidor tiver um alto poder aquisitivo e, para alguns, infelizmente, tais mudanças afetarem sua imagem, pois, para eles, o mais importante é ostentar riqueza, em vez de ter atitudes que sejam uma solução para o problema ambiental e para ele também.

É bem verdade que a imagem luxuosa de celebridades usando produtos ecologicamente corretos influencia mais pessoas a mudarem seus hábitos. E produtos considerados caros e exclusivos tornam-se populares e amplamente disponíveis. Se o consumo de produtos orgânicos é associado à imagem de pessoas inteligentes, bonitas, saudáveis, o ser humano, sempre guiado pelo exemplo, é induzido a consumi-los também. E, à medida que mais pessoas passem a comprar alimentos orgânicos, por exemplo, mais investimentos podem ser feitos a fim de que se obtenham mais produtos de qualidade disponíveis no mercado.

É óbvio que tem de haver um compromisso se quisermos viver uma vida realmente de baixo impacto ambiental. Temos de abrir mão daquilo que desejamos ter e resistir à tentação de adquirir aquele novo modelo de equipamento e descartar o nosso usado, embora funcionando perfeitamente. Ter de trocar nosso estilo de vida para uma versão mais verde requer muito mais que comportamento, exige conscientização real.

Voltamos à pergunta: nós realmente precisamos fazer estas mudanças? Muitos ambientalistas defendem a idéia de que não temos mais escolha. Temos de nos comportar de maneira diferente se quisermos enfrentar os desafios do novo século. E comprar verde é o primeiro passo no caminho dessas mudanças. Principalmente porque já estamos vendo as conseqüências de não optarmos por uma vida mais verde: as alterações climáticas.

Evidentemente, o consumidor quer ter vantagem em tudo. E, providencialmente, com o aumento do preço do petróleo, optar por alternativas mais verdes, torna-se a opção mais barata. Da mesma forma que os preços dos fertilizantes químicos aumentam, a opção por alimentos orgânicos torna-se natural. A produção biológica pode utilizar até 26 por cento menos energia que a agricultura convencional. Então, a simples dinâmica do mercado pode ajudar os consumidores a mudanças para gerar menos poluentes no ambiente.

Quando os seres humanos perceberem que o verde é a opção mais viável, e começarem a se envolver em campanhas contra sacolas plásticas, contra combustíveis fósseis, contra depredação dos recursos naturais, teremos uma sociedade cada vez mais envolvida na questão ambiental e poderemos, então, ver uma enorme mudança de comportamento.

Imagem: Free digitalphotos

RSS FEED

Powered by Zoundry Raven

Technorati : atitudes ecoconscientes, compras, consumidor, mercado, mudanças climáticas, orgânicos, petróleo, produtos verdes

Gostou do Blog?

O que é RSS?

Assine o Feed RSS ou receba nossos textos por email. É grátis!
Digite seu email:

6 comentários para “Eu preciso mesmo ser “verde”?”

  1. Carlos Emerson Jr.

    Os ambientalistas tem razão e eu, particularmente, acho que já perdemos muito tempo e talvez seja muito difícil mudar esse estado de coisas.
    A principal dificuldade é a não-adesão dos grandes países (e maiores poluidores) à nova ordem das coisas.
    E em segundo, a total indiferença de boa parte da população pelo assunto, seja por ignorância ou desleixo.
    Alguma coisa tem e está sendo feita. Mas sem a adesão dos países porcalhões, vai ficar muito difícil.
    Mas não é por isso que vamos deixar o barco correr solto, claro. Se cada um fizer um pouquinho que seja, já estará ajudando.
    Um beijão.

    Há quem diga que estas atitudes são radicais e desnecessárias, mas, penso que é a mesma coisa que a gente parar de cuidar de nosso corpo porque ele vai morrer mesmo, não acha?
    abraço, garoto

  2. Tina

    Oi Denise!

    Infelizmente eu acho que ainda vai levar muito tempo para que o brasileiro atinja esse nível de conscientização, mas tenho fé nas novas gerações, tenho mesmo.

    Excelente post, parabéns!

    beijo grande e boa semana,

    Tina, há pessoas que nos acham doidas e até fazem cara de compaixão, como se fôssemos quixotescos. Mas eu também tenho esperança nas crianças e jovens. Afinal, o futuro é deles.
    beijo, menina

  3. Hugo

    Pensei algo muito parecido com o seu post estes dias.
    O fato de realizarmos algumas ações sozinhos pode não mudar muito, mas pode influenciar outras pessoas que convivem conosco e então se espalhar de maneira viral. 🙂

    A alta do petróleo, que parece ruim, é na verdade boa. Com o preço cada vez mais alto os países começam a investir mais em energias alternativas. Além disso, estas passam a se tornar cada vez mais viaveis.

    Ser verde por um lado é ser mais econômico (diminuir o consumo de bens sem utilidade, de energia e de água). Por outro lado, as soluções verdes (como alimentos orgânicos), ainda são mais caras. Quanto mais viáveis ficarem as soluções verdes, mais pessoas irão adotá-las.

    Exatamente, Hugo. infelizmente, muitos só optam por uma alternativa mais ecologicamete correta se puder usufruir alguma vantagem.
    abraço, garoto

  4. 2020 Sustentável « Agroecologia IFRN

    […] planeta, das alterações climáticas, da poluição, da extinção das espécies, do desmatamento, as escolhas que fazemos são […]

  5. Produtos verdes vendem menos: por quê? | Sturm und Drang!

    […] acondicioná-las em sacolas ecológicas, como a minha linda ecobag da foto. É necessário que os produtos que compramos também sejam sustentáveis. Verdes ou não, manuseá-los adequadamente pode diminuir muito o impacto no orçamento doméstico. […]

  6. Acun

    Hey girl, so sorry I wrist slapped you at the race today!! 🙁 It was meant to be a hi-five!! :)Looks like you were hanivg a lot of fun!! You have a pretty smile!!Enjoy the rest of your weekend!! :),

Leave a Reply

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
%d blogueiros gostam disto: