13 comentários para “Consertar ou comprar um novo notebook?”

  1. Profº Bauru

    Denise, confesso que não sou nada sustentável neste contexto que você aborda no texto. Não penso duas vezes em comprar um novo computador. Já troquei várias vezes e não me arrependo porque minhas necessidades aumentaram, a demanda de serviços é outra e minha produtividade relacionada aos blogs e preparo de aulas melhorou MUITO. Minha única ação sustentável nesse quesito é dar o destino certo ao produto. Geralmente eles ainda funcionam com algumas limitações. Certa vez foi um drive de cd que parou de funcionar e era um computador já velhinho. O que fiz? Dei o computador para o filho do caseiro da chácara. Ele ficou radiante, passou a fazer seus trabalhos escolares na máquina, fiquei coma consciência “tranquila” e comprei o que eu queria. Eu tinha uma amiga que dizia que a indústria prevê cada vez menos tempo de vida aos produtos. Ela chamava isso de obsolescência programada. E é bem verdade isso.

    P.s.: gosto muito dos seus artigos e preciso voltar aqui para falar sobre seu post a respeito de como usar o carro de forma mais sustentável… Logo voltarei.

    1. denise rangel

      Profº Bauru,
      Dar um destino útil às máquinas é uma atitude sustentável. Não seria se apenas as descartasse. No meu caso, o notebook avariado não seria útil para doação, apenas pra aproveitamento de peças. E era o que eu deveria ter feito. Às vezes, não vale mesmo a pena consertar, economicamente falando, porém, esta obsolescência me irrita profundamente, e, entre dar lucro ao empresário e manter o emprego do técnico, a escolha recai no segundo. O que eu não previ foi o prejuízo desta escolha. Aprendi.
      Obrigada pela gentileza, que retribuirei já, hehe.
      abraço, garoto

  2. @lilibollero

    Denise com todo o respeito, acho que sua escolha foi infeliz! Eu tenho um note velho e sempre penso em doá-lo para alguém que vá usá-lo ainda apesar que o defeito é bateria e conexão com o fio (mau contato que não carrega a bateria e aí ele “morre”).
    Bom, enquanto não consigo dar um fim para o pobre fica por aqui mesmo quebrando galhos quando necessário.
    Porém, quando o pinguino (desktop) estragou eu não pensei muito quando soube que ou trocava a placa mãe ou comprava um novo e optei pelo segundo. Agora tentarei doá-lo. =) Fiquei triste com essa escolha, não queria mas me dava tanto mas tanto mais trabalho e eu tinha coisas que já precisava de outro por usar linux que resolvi me render ao novo!

  3. Marcia H

    Denise,
    hoje foi aprovada uma lei europeia, onde as lojas terao de reciclar pequenos aparelhos eletricos. A intencao é reaproveitar os metais usados, que custam caro no mercado. A exportacao de lixo eletronico foi proibida também por essa lei.
    Meu note tá velho, quebrado, com uma tecla que sai e sempre dando tilt, mesmo assim eu fico com ele, apesar de sonhar com o McBook. Mas a gente pode sonhar com o gala de cinema e ficar com o vilao, né?

    bjss

    1. denise rangel

      Marcia,
      Deveria ser lei global. Acredita que, há algum tempo, tentei doar um velho pc condenado pra algumas lojas eletrônicas e eles recusaram? Estranhei muito. Depois, consegui consertá-lo, mas, caso contrário, teria trabalho para descartá-lo.
      Continuo sonhando com o Mac, enquanto posto aqui no note reciclado, hehehe.
      beijo, menina

  4. Lu Guedes

    Oi Denise, então, eu não pensei duas vezes. Tinha um notebook antigo (não tão antigo assim – mas inferior em tecnologia) e o teclado deu problema. Fui a loja da Sony e comprei um novo. Um vaio (sonho de consumo, deixado de lado por olhos grandes que tenho em outras ocasiões). Na verdade, ganhei o VAIO do mio amore. Eu tinha um LG com Intel Duo Core e quando vi o I5 no VAIO suspirei e disse “não”. Pois bem, cá estou eu com o VAIO e o LG eu procurei alguém que precisasse de um e pronto. Minha amiga estendeu as mãos e ficou com ele. Gastou setecentos reais para arrumar o teclado. O meu computador novo ficou em quase dois mil reais.
    Não sei o que dizer quanto a arrumar e tudo mais, eu acho que a tecnologia hoje em dia não é feita para durar porque tudo é superado muito rápido. Diferente de antigamente quando uma novidade levava anos para aparecer. rs

    bacio

    1. denise rangel

      Pois é, Lu, sua amiga teve condições de consertar a máquina. Nem sempre conseguimos alguém para doar o material avariado. Infelizmente, os produtos não são feitos para durar. Isto é deprimente.
      beijo, menina

  5. Sybylla

    Comprei-ganhei (pois um tio vai pagar metade do valor… rs) um novo notebook para atender melhor minhas necessidades, mas o meu anterior, de dois anos, que está em perfeitas condições de uso foi passado para minha mãe ter maior agilidade no trabalho dela. Ainda assim estou mantendo o desktop antigão lá embaixo como um backup e por ser Win XP para jogar, visto que alguns jogos não rodam direito no Vista e no 7.

    O que acho é que a logística reversa deveria ser melhor implementada. A industria produziu? Então ela deve dar um destino à aparelhagem. Temos que sair deste modelo fordista de produzir e descartar.

    Os aparelhos não duram tanto também pela delicadeza do design das peças. As peças cada vez mais sensíveis ao calor e ao impacto fazem com que se desgastem mais rápido. É uma consequência da alta tecnologia.

    Abraço!:D

    1. denise rangel

      Sy, quando estou com um note, ou celular, ou outro equipamento em boas condições de uso, e desejo mudar para um modelo mais moderno e com mais possibilidades, a doação é a minha primeira opção. Neste caso, doar uma máquina quebrada, cujo conserto é caro, inviabilizaria minha ideia de doá-lo. Aprendi a lição. Quando isto acontecer outra vez, procurarei alguém que recicle as peças.
      beijo, menina

  6. Ana Karenina

    oi Denise

    Concordo que temos que fazer o possível para reciclar ou ter atitutes sustentáveis para ajudar o meio ambiente, mas tem hora que fica muito custoso isso, seja do ponto de vista econômico quanto do ponto de vista de tempo gasto pra fazer isso.

    Desde 2008, já adquiri 4 máquinas : um pc que queimou, um notebook que queimou, um notebook e um netbook que ainda sobrevivem. Tenho preferido compar novo do que consertar porque costumo gastar muito tempo e dinheiro levando a máquina pra lá e pra cá sem resolver o problema. Pra diminuir minha culpa tenho doado minhas máquinas quebradas pra alguém com disposição em gastar no conserto, assim pra eles fica mais em conta do que comprando novo, pra mim consertar é pagar duas vezes pelo mesmo produto.

    Sabe Denise, tenho respeitado mais minhas vontades internas, buscado fazer o que me deixa mais feliz com menos stress e tenho sido feliz assim.

    Adorei seu blog, vou voltar 🙂

    Um abraço.

    @anakint

    1. denise rangel

      Ana, este “pagar duas vezes pelo produto” é o que desestimula a vontade de ser sustentável e de reaproveitar o material. Ser ecologicamente correto, às vezes, custa caro.
      Obrigada pelo carinho. Volte quando quiser.
      beijo, menina

  7. Leonan

    Olá, agora vou contar um pouco do minha história.
    Já tive muita coisa tecnológica que já foi descartada, porém nunca doei nenhum equipamento velho, porque sempre usei tudo até acabar, por ex: os meus computadores que ja tive ao longo da minha vida, sempre eu mesmo consertava e fazia manutenção preventiva, afim de evitar perca de equipamentos úteis. Usei todos até 3 peças ou mais avariarem, o que o conserto ou substituição. se tornaria inviável. Dessa vez o problema foi com meu notebook, que deu um problema na tela, mais precisamente no cabo que liga a placa mãe à tela, que conforme eu abria a tampa superior, a tela ficava piscando com algum tipo de mau contato, até que um dia abri a tampa e saiu uma faísca da dobradiça da tela. Como ja trabalho com computador, fica muito mais viável eu mesmo trocar ou consertar as peças. Mas a assistência autorizada que tem a peça não quizeram me vender, e para eles consertarem me custaria incríveis 700 reais, o que me forçaria a comprar um novo, mas por falta de grana e tambem compreocupação com o meio ambiente, resolvi comprar a o bendito cabo que pegou fogo e partiu no meio e que me custou 160 reais, achei o preço um pouco abusivo, mas algo que me foi vantajoso (eu acho).

    Emfim, esse meu notebook lg c400 ja deu problema na memória, no carregador, e no flat cable. Que até agora so me foi viável poque a garantia me mandou outra fonte e no fim da garantia ainda tive que trocar a memoria e o flat, que só foi viável porque eu mesmo troco. E aqui na minha cidade eu faço manutenção para o pessoal por um preço bem bacana, para evitar mais lixo eletrônico e ainda fazer o que eu gosto. A assistencia autorizada deu um prazo de 30 dias para devolver o note, um absurdo.

    Obs. o flat cable, vale mesmo uns 35 reais no máximo mas as empresas sempre querem fazer os consumidores a comprarem outro e assim, gerar mais lixo.

Leave a Reply

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
%d blogueiros gostam disto: